BI e Indicadores: O que são de fato e qual a melhor forma de usá-los?

Business Inteligence, ou BI, é realmente uma expressão bonita e charmosa de se usar. Mas será que todos sabem para que serve isso? Qual a melhor maneira de utilizá-lo?



Foto: cetax.com.br

BI nada mais é que um conjunto, ou vários conjuntos, de dados coletados de algum assunto, pessoa ou canal que, quando trabalhados e definidos, podemos gerar e criar indicadores, gráficos e relatórios importantíssimos e bem objetivos para a tomada de decisão de alguma hipótese ou ação. Definição complexa de entender, não é? Vou detalhar melhor.

Vamos pensar em nosso cenário. Um restaurante. Imagine que todos os dias recebemos centenas de clientes que, entram em uma fila, sentam em uma mesa, consomem e compram diversos produtos, paga a conta e vai embora. Vejam que, em uma visita em seu restaurante, ele obteve no mínimo 4 iterações com seu negócio e forneceu dados valiosíssimos para você analisar tudo em seu restaurante. Vou exemplificar abaixo cada iteração e os dados possíveis que foram gerados.

1. Chegada ao Restaurante (Na fila de espera)


Situação: Nesse momento, você provavelmente precisa controlar a fila de espera para melhor receber e acomodar seus convidados. Em alguns casos até consegue servi-los com alguns produtos enquanto eles aguardam na fila.


Dados possíveis nesse momento: Tempo que o cliente espera na fila, celular ou e-mail do cliente para CRM, Produtos mais consumidos na fila.

2. Ao sentar-se a Mesa


Situação: Após ser chamado na fila, você direciona seu cliente a mesa disponível e faz o primeiro atendimento com cardápio, recepção, etc.


Dados Possíveis: Mesas mais populadas e preferidas.

3. Consumo dos produtos

Situação: Após olhar e escolher o que pedir, o convidado já começa a solicitar o que deseja para sua refeição.

Dados Possíveis: Mix de Vendas, Retorno de Ação de Marketing, Produtos consumidos pelo cliente, Combinação de maior afinidade de produtos, etc.

4. Pagamento da Conta

Situação: Após o consumo e todo o atendimento, o cliente solicita a conta e a mesa é fechada e paga pelo cliente.


Dados possíveis: Tempo na mesa, Forma de pagamento usada, número de pessoas, etc.



O que fazer com tudo isso?


Bom coloquei alguns exemplos de dados que cada ponto de iteração pode nos fornecer. Entretanto, isso ainda não é BI, embora seja grande parte dele ter esses dados.

Imaginem agora uma grande planilha de EXCEL. Todos esses dados que coloquei acima lá dentro dessa planilha. Cada um desses dados em uma aba do Excel com todas as informações coletadas em todas as iterações. Quando fazemos isso, estamos criando a base de dados para montar os indicadores e uma inteligência de análise. Porém, esses indicadores necessitam cruzar algumas informações, para fazer mais sentido a análise. É aí que entram o BI.

Vamos pensar agora em cruzar algumas dessas informações que citamos acima e observem o resultado e a visão que esse cruzamento irá trazer. Vamos cruzar os dados de tudo que os clientes consumiram em suas lojas (Iteração 3 gerou isso) com os dados de cadastro de e-mail e/ou telefone (Iteração 1 gerou isso). Agora pensem que você já sabe que o cliente JOÃO gosta de BIFE A PARMEGGIANA, porque em outro cruzamento de dados, você pode perceber que JOÃO esteve em seu restaurante por 5 vezes e que por 3 vezes pediu esse prato. Legal! Então, que tal mandarmos uma mensagem pro JOÃO e dar a ele um desconto em um delicioso BIFE A PARMEGGIANA em sua próxima visita ao seu restaurante?

Vejam, a partir das visitas que João fez em seu estabelecimento, você conseguiu entender, apenas analisando os dados que você coletou de alguma forma, que João gosta muito de um prato específico. Então porque não usar esses gatilhos como uma forma de marketing direcional para fazer com que João visite mais vezes seu restaurante, criando assim a recorrência? Lembre-se que você perderá um pouco dando o desconto, mas muito provavelmente, ainda olhando os dados, você sabe que ele não consome somente o prato e sim também aquela sobremesa que, para você, obtém um CMV ÓTIMO para aumentar seu lucro e que, com toda certeza, João irá consumir ela novamente se vier ao seu estabelecimento, ainda mais saindo um pouquinho mais barato seu prato principal.

Isso sim já começa ser um pouco de BI. Cruzar dados, analisar a fundo, fazer cruzamentos que façam sentido e que lhe permitam agir de maneira ESTRATÉGICA. Essa é a palavra que caminha lado a lado com o Business Inteligence. Tudo isso, você poderá entender e acompanhar através de indicadores e gráficos ou, se gostar muito da ideia, contratar um software que lhe facilite e automatize isso da melhor forma possível para seu negócio!

10 visualizações0 comentário

©2020 por ReInova Consultoria.